Se você está pensando em comprar o seu imóvel utilizando o fundo de garantia, esse artigo é para você. As novas regras do FGTS 2017 vieram para facilitar o uso da reserva, o que pode trazer para mais perto a aquisição do seu próximo imóvel. Caso você não entenda muito bem o funcionamento do fundo de garantia e deseje conhecer mais sobre essa opção na compra de um imóvel, fique tranquilo, pois vamos explicar como funciona. Confira!

O que é o FGTS?

O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço é uma poupança feita pelo governo para o trabalhador de carteira assinada que tem um contrato CLT.

Mensalmente, é descontado 8% do salário do trabalhador, valor que será depositado em uma conta nominal e só poderá ser retirado em casos específicos como demissão, aposentadoria ou para a compra de um imóvel.

Como posso utilizá-lo na compra de um imóvel?

Primeiramente, você deverá consultar o valor disponível no site da Caixa Econômica Federal. Você também poderá consultar pelo aplicativo ou diretamente na agência. É possível usar o FGTS para comprar à vista, para dar entrada e financiar (nesse caso, seu financiamento deve ser feito pelo Sistema Financeiro de Habitação) e também para amortizar parcelas. Lembre-se de que você não precisa utilizar todo o seu saldo e poderá sacar apenas uma parcela.

Quais são as novas regras do FGTS 2017?

Com o objetivo de aquecer a economia e aumentar o poder de compra do trabalhador, foi lançado um pacote de medidas que alteram as regras do FGTS para o ano de 2017. Além de injetar quase 30 milhões com o saque das contas inativas do fundo de garantia, a Medida Provisória 736/2016 vai aumentar a rentabilidade do FGTS e isentar a empresa da multa de 10% para demissões sem justa causa. Ademais, as novas regras vão beneficiar quem busca comprar um imóvel por meio do saque do fundo, como veremos a seguir.

Será possível financiar imóveis novos mais caros

Até o ano passado, só era possível adquirir imóveis avaliados em até R$950 mil em Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal e R$800 mil nos outros estados. Para imóveis usados, esses valores foram mantidos, porém para financiar imóveis novos o teto subiu para R$1,5 milhão e será válido para todos os estados para compras entre 20 de fevereiro e 31 de dezembro de 2017.

Será possível utilizar no consórcio

Agora também será permitido utilizar o FGTS para oferta de lance em um consórcio ou para complementar a carta de crédito para adquirir um imóvel residencial pronto ou sendo construído. Além disso, se contemplado, o consorciado também poderá utilizar o fundo para amortizar o saldo devedor, liquidá-lo ou abater prestações.

Quais regras permanecem em vigor?

A expectativa é que as novas regras movimentem a economia, permitam que mais pessoas comprem imóveis e também aqueçam o setor de construção, o que poderá gerar novos empregos e manter o ciclo de compra girando. Porém, existem alguns requisitos que devem ser cumpridos para que se possa comprar um imóvel utilizando o FGTS. Veja abaixo algumas das regras para usar o fundo na compra do imóvel.

O titular deve:

  • ter trabalhado no regime CLT há pelo menos 3 anos (mesmo que em empresas diferentes e por períodos não contínuos);
  • não ter outro financiamento no SFH em andamento;
  • não ter outro imóvel residencial no seu nome em área urbana.

O imóvel deve:

  • ser residencial (não é possível utilizar para comprar lojas, salas ou andares);
  • ser necessariamente para moradia do titular;
  • estar construído ou com construção em andamento.

Além disso, no caso de compra do imóvel utilizando financiamento, o titular deverá conseguir a aprovação do crédito normalmente, apresentando a documentação necessária e se mostrando capaz de honrar o pagamento das parcelas. Como você pode ver, este é um excelente ano para comprar um imóvel, já que as novas regras aumentam o teto de avaliação para imóveis novos e permitem a utilização do FGTS também no consórcio.

Fonte: Blog CrediPronto

O que você achou deste conteúdo? Entendeu melhor as novas regras do FGTS 2017? Deixe seu comentário abaixo:

Compartilhar: